Conheça mais sobre o estresse e ansiedade e saiba como a acupuntura pode te ajudar

Coração acelerado, boca seca, vontade de chorar, roer as unhas e arrancar os cabelos. Estes são alguns dos sintomas percebidos por pessoas que sofrem de ansiedade. Este transtorno normalmente é resolvido com medicamentos alopáticos, porém existe uma solução alternativa. É possível fazer acupuntura para tratar ansiedade. Confira detalhes abaixo.


Distúrbios de stress e ansiedade incluem o transtorno de ansiedade generalizada, síndrome do pânico, fobias, transtorno obsessivo compulsivo (TOC), e stress pós traumático (NICE 2007; Clinical Evidence 2007). Estes distúrbios podem ser crônicos, e causar incapacidades e prejuízos importantes na qualidade de vida da pessoa, se não tratada (NICE 2007). Outros distúrbios e sintomas comuns como preocupação excessiva, transtornos de sono, irritabilidade e baixa concentração, ansiedade, podem resultar em sintomas físicos como excesso de suor, náuseas, diarréia, boca seca, palpitações, fadiga, tontura, e tensões musculares (American Psychiatric Association 2000).


O Jornal de Colégio Americano de Cardiologia publicou um artigo, na edição de janeiro deste ano, do Dr. Biing Jiun Shen, informando que a ansiedade pode aumentar o risco de idosos saudáveis a terem mais riscos de infarto cardíaco. Como essa informação, temos artigos cada vez mais freqüentes que abordam os distúrbios orgânicos provocados pelos distúrbios emocionais.


Na verdade, este conceito de doenças psicossomáticas causadas pelos distúrbios emocionais já foi descrito pelos antigos médicos na China, há mais de três mil anos. O primeiro capítulo do livro de Acupuntura e Medicina Chinesa já mencionava que para manter a homeostase (equilíbrio) do corpo, o indivíduo deve manter a mente calma, praticar exercícios físicos adequados, manter a respiração suave e lenta além de uma alimentação regrada, ou seja, nada de excessos no dia-a-dia. Passaram tantos séculos e essas recomendações continuam válidas. Comumente são repetidas em palestras ou nos livros de auto-ajuda, descritos pelos especialistas.


O estado doente de estresse, em geral, pode estar sob algum tipo de estímulo perverso, de forma aguda ou crônica, com algumas causas mais freqüentes:


1) Mudanças bruscas de hábito, como exemplo: o filho que muda para longe – tanto os pais como os filhos podem sofrer o efeito!

2) Quebra de rotina: sono irregular, sobrecarga de trabalho, expectativas exageradas, falta de preparo psíquico para enfrentar condições hostis, questão cultural, doenças, mortes. Acontecimentos de impacto emocional, dependência química.

3) Ambientes agitados e barulhentos, bem como outras dificuldades de adaptação ao ambiente de convivência.

4) Distúrbios psíquicos prévios, problemas de relacionamento afetivo, problemas de envelhecimento, baixa auto-estima, problemas de locomoção.


O estímulo estressante pode causar uma série de sintomas tanto orgânicos como de alterações psíquico-comportamentais. Além de que, em condições crônicas causa desgaste físico-mental, chegando até a causar condições degenerativas permanentes.

As manifestações no organismo

O organismo reage ao estímulo de estresse e, geralmente, aumenta a pressão arterial e a freqüência cardíaca, contraindo músculos e vasos sanguíneos. Esta reação pode ser prejudicial, dependendo da intensidade, tempo de duração de estresse e a vulnerabilidade do indivíduo.


Basicamente, afeta o sistema imunológico que é responsável pela defesa do corpo, também o sistema nervoso que responde pela capacidade de restaurar o reajuste do corpo e o sistema endócrino, responsável pela produção hormonal. Por isso, as manifestações de sintomas de stress e ansiedade são diversas e individuais.

Por que tratar a ansiedade?

De nada adianta a nossa explanação sobre o tratamento de uma doença, se a pessoa não acreditar nos malefícios da doença. É preciso entender a gravidade que a ansiedade traz ao organismo, com prejuízos iminentes ao corpo se ela não for resolvida.

A ansiedade, se não for tratada, pode causar:


– aumento de peso, inclusive chegando à obesidade;

– incontrolável necessidade de comer, de forma compulsiva;

– roer unhas;

– arrancar fios de cabelo;

– dependência de drogas farmacêuticas, ilícitas ou alcoólicas;

– dor de cabeça frequente e forte;

– problemas no estômago;

– cansaço extremo;

– insônia;

– transtornos sexuais

– prejudicar a qualidade de vida, a autoestima e a saúde.


Para o psicólogo Alexandre Bez, especialista em ansiedade e síndrome do pânico na Universidade da Califórnia, a ansiedade é o pior dentre todos os males psicológicos.

É uma doença que acomete principalmente mulheres, pois elas sofrem mais com estresse, porém os homens também não estão imunes a este problema. Questões como finanças e o trabalho são os principais fatores que desencadeiam ansiedade neles.


A ansiedade, se não for tratada, pode causar outras doenças ao indivíduo, que poderão afetar tanto sua saúde física quanto mental. Confira abaixo algumas doenças que podem ser derivadas do não tratamento da ansiedade:


– gastrite

– úlcera

– colite

– aceleração dos batimentos cardíacos

– pressão alta

– enxaqueca

– alergias

Quando é a hora de tratar ansiedade?

Esta é uma pergunta que os ansiosos já devem ter feito a si mesmos. Você sabe quando é a hora de tratar ansiedade? Como diferenciar um sentimento normal do prejudicial?


A ansiedade deve ser tratada quando ela atrapalhar o andamento das atividades diárias. A pessoa até pode conseguir realizar suas funções, mas faz isto de maneira sofrida, difícil. Se isto acontecer frequentemente, é hora de procurar ajuda especializada.

Sintomas Gerais

Distúrbios físicos: dores de cabeça, indigestão, dores musculares, insônia, aumento da freqüência cardíaca, alergias, distúrbio do sono, queda de cabelo, mudança de apetite, gastrite, síndrome de colo irritável, cistite, dermatoses e esgotamento físico.


Distúrbios psicológicos: apatia, memória fraca, alteração de comportamento, desmotivação, agressividade, irritabilidade, intolerância, instabilidade emocional e ansiedade.

O tratamento da ansiedade

Existem algumas dicas que podem aliviar a ansiedade, como:


– caminhar por trinta minutos com frequência

– dançar

– ouvir música

– estar preparado para desafios

– procurar ver sempre o lado bom das situações

– evitar ter pensamentos negativos

– ter um animal de estimação


Porém, para algumas pessoas é necessário fazer um tratamento médico. É aí que entra a acupuntura para tratar ansiedade, que foi explicada no texto que você acabou de ler. Se a indicação for medicina convencional, tudo bem. O que importa é tratar os sintomas e viver bem. Qualquer ajuda é bem-vinda.

Os efeitos do tratamento por Acupuntura

A acupuntura, por meio de estímulo pelas agulhas e outros instrumentos, em pontos específicos do corpo, produz uma série de reações locais e sistêmicas, resultando alívio dos sintomas de forma imediata ou progressiva.

As ações de acupuntura são pela via nervosa – explicando de forma resumida – há a liberação de substâncias como a endorfina, dopamina e serotonina em várias regiões do cérebro, resultando em efeito de analgesia, calmante, antidepressivo, relaxamento muscular, melhora de funções dos órgãos internos mesmo quando já existem distúrbios, melhora de problemas alérgicos e outros já comprovados em muitas pesquisas científicas realizadas no mundo inteiro.


Com a acupuntura, associada ao tratamento psiquiátrico e psicoterapêutico, ou utilizada exclusivamente, o uso de ansiolíticos pode ser reduzido ou até mesmo suspenso, livrando assim o paciente de efeitos colaterais. Isso porque a acupuntura tem efeito sedativo e ansiolítico, agindo na liberação de substâncias do sistema nervoso central, entre elas a endorfina, dopamina, encefalina e serotonina.


A encefalina, por exemplo, além de diminuir a dor, age no sistema límbico (a parte do encéfalo que controla as emoções), gerando bem-estar e conseqüente relaxamento mental. A liberação de tais substâncias, promovida pelas aplicações, é fator importante no tratamento de distúrbios como a ansiedade, depressão, síndrome de pânico e outros, além de atuar no controle de manifestações físicas como palpitação, distensão abdominal e gastrite.


O tratamento de acupuntura para o estresse e suas manifestações sistêmicas e psicológicas é bastante satisfatório. Não há efeitos colaterais relevantes que sejam conhecidos. Em geral, aplica-se de uma a duas aplicações por semana, e, em caso de dores musculares, o paciente já sente alívio logo após a primeira aplicação. Já as alterações emocionais e os distúrbios de sono podem levar mais de dez sessões para terem efeito consolidado. Portanto, o efeito varia caso a caso, dependendo da duração de tempo dessas doenças, da causa e da vulnerabilidade dos pacientes.


E, finalmente, não podemos esquecer a importância de um diagnóstico o mais correto possível, para evitar a presença concomitante de outras doenças. Portanto, ressaltamos a necessidade do tratamento de stress e ansiedade ser realizado por médicos especializados em acupuntura.


Pesquisas científicas com Acupuntura no tratamento de Ansiedade e Stress

Recentemente, vem sendo publicado na literatura diversos resultados preliminares positivos do efeito da Acupuntura no tratamento de diversas condições como ansiedade e depressão leve (Wang 2001), ansiedade crônica relacionada ao stress pós-traumático (Hollifield 2007), abuso de substâncias (Chae 2008, Courbasson 200, Grusser 2005), insônia (Spence 2004), e várias outras condições aonde a ansiedade e stress também fazem parte do quadro de sintomas, como asma (Scheewe 2008), dor músculo-esquelética (Hansson 2007, He 2005) e pós acidente vascular cerebral (Wu 2008).


Estas pesquisas científicas vêm demonstrando que o tratamento por Acupuntura pode beneficiar os pacientes com distúrbios de stress e ansiedade, por:


– Agir em áreas cerebrais conhecidas por reduzir a sensibilidade a dor e stress, e promover relaxamento e desativação da região “analítica” cerebral, que é responsável pelas preocupações excessivas e ansiedade (Hui 2010)

– Regular níveis de neurotransmissores (ou os seus moduladores) e hormônios como a serotonina, noradrenalina, dopamina, gaba, neuropeptídeo Y e ACTH; alterando assim a neuroquímica do sistema nervoso central, auxiliando na modulação dos estados afetivos negativos (Lee 2009, Samuels 2008, Zhou 2008, Yuan 2007).

– Estimular a produção de opióides endógenos que afetam o sistema nervoso autonômico (Arranz 2007). O stress ativa o sistema nervoso simpático, enquanto que a Acupuntura pode ativar o sistema nervoso parassimpático, que tem efeitos opostos ao simpático, iniciando a resposta de relaxamento.

– Diminuir os níveis de citocinas inflamatórias relacionadas à ansiedade (Arranz 2007)

– Diminuir as mudanças relacionadas ao stress na bioquímica e comportamento (Kim 2009).


Vantagens da Acupuntura em relação ao uso de medicamentos antidepressivos

No estudo citado acima, os pesquisadores encontraram melhoras mais rápidas nos pacientes que foram submetidos à Acupuntura. A Acupuntura não apresenta efeitos adversos e colaterais que são comuns em medicamentos antidepressivos, tais como: náuseas e vômitos, sonolência excessiva, constipação, boca seca, disfunções sexuais, e ganho de peso.


Em casos de distúrbios mais graves de depressão e ansiedade, a Acupuntura ajuda inclusive na regularização do sono e humor, podendo inclusive auxiliar na diminuição das doses necessárias dos medicamentos ansiolíticos e antidepressivos.


FONTE: Clínica Dr. Hong Jin Pai e Associados


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Nenhum tag.
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square